Boa tarde, hoje é Quinta, 23 de Maio de 2019. Clique Aqui para login.
Indicator_red
Dia do Geólogo - Mensagem da Direcção da SGP.

Mas tudo isto tem consequências nas condições limite a que estamos a levar o Planeta em termos de sustentabilidade. Sustentabilidade das reservas que o Planeta foi construindo ao longo de dezenas, de centenas ou até de milhares de milhões de anos e que agora correm o risco de serem rapidamente esgotadas:

a) reservas de água potável nos continentes, como fonte primária de sobrevivência de boa parte das formas de vida que conhecemos;

b) reservas não poluídas de água dos oceanos, a fonte primária de vida na Terra;

c) reservas de matérias-primas minerais cada vez mais importantes na procura de fontes de energia não poluentes (emissoras de CO2), mas que correm o risco, algumas delas, de se esgotarem num horizonte bem curto;

d) reservas dos solos, a base da vida e da cadeia alimentar nos continentes, que desaparecem pelo incontrolado abate das florestas e substituição, muitas vezes incentivadas pelos altos decisores políticos, por áreas imensas de cultivo para serem transformadas em energia pretensamente limpa ou de ocupação de milhões de quilómetros quadrados com áreas de pecuárias nocivas ao ambiente.

A humanidade não tem, manifestamente, sido boa para ela própria, por falta de vontade dos decisores, por falta de envolvimento dos cidadãos ou por impossibilidade de gestão de áreas sobrepovoas. Os desastres naturais, ou aqueles que o próprio Homem favorece por desconhecimento do comportamento do nosso planeta ou por incúria, em áreas específicas, como:

a) aquelas que oferecem elevados riscos de acontecimentos com uma génese natural, como sejam os sismos e os tsunamis que lhes podem suceder em áreas costeiras, como temos conhecido, por exemplo, no extremo asiático com um número de vítimas elevadíssimo e prejuízos materiais incalculáveis;

b) aquelas onde acontecem grandes movimentos de massa, de terrenos ou de águas, rápidos, geralmente por má gestão do território e de obras de engenharia mal planificadas e executadas, como são casos recentemente conhecidos, por exemplo na América Latina, com as consequências que também conhecemos;

c) aquelas onde a previsibilidades de ocorrências de outros fenómenos, geralmente com origem no Homem, mas impropriamente acautelados com a devida antecedência, como é o caso dos fogos florestais de grandes dimensões, como conhecemos de perto as consequência, bem como por exemplo na Califórnia ou na Austrália, também consequência das alterações climáticas,

 

Se o conhecimento produzido pelos Geocientistas nestes e em muitos outros domínios, sempre em ligação entre a Humanidade e a Natureza, fosse devidamente assimilado e “apropriado”, por quem de direito, muitas tragédias se acautelariam, muitos prejuízos se atenuariam e um mundo melhor seria possível.

Em Portugal e em todo o mundo, a investigação produzida pelos Geólogos, com formação científica sólida sobre o nosso Planeta e na procura de o conhecer melhor e com ele melhor conviver – incluindo com as outras espécies – tem um valor determinante para o presente e para um futuro que se adivinha cada vez mais incerto. Os geólogos portugueses, os investigadores portugueses em Geociências, trabalham em projetos nacionais e internacionais, em equipas pluridisciplinares para conhecermos melhor o planeta que habitamos, o seu passado, o presente e conseguirmos perceber melhor “para onde vamos”…

Esses projetos,

a) vão desde a participação em missões ao continente antártico para um melhor conhecimento da sua Geologia, mas também das alterações climáticas, até à participação e coordenação da Proposta de Extensão da Plataforma Continental portuguesa;

b) vão desde a investigação para um melhor conhecimento dos nossos recursos hídricos, até às questões relacionadas com a desertificação, consequente à falta de proteção dos solos;

c) vão desde a prospeção de matérias-primas minerais, até à exploração sustentável de recursos, numa perspetiva da Economia Circular;

d) vão desde a produção e atualização da cartografia Geológica até ao correto planeamento do território e definição de áreas de risco;

e) vão desde o estudo da geodiversidade e a proteção do património geológico, até à contribuição para a classificação de Geoparques, para um Geoturismo sustentável.

Todos estes, e muitos mais haveria para dar, são exemplos de áreas onde as equipas portuguesas de geólogos e geocientistas se integram, com colegas de outras áreas do conhecimento e de outros países.

Quando ouvimos dizer: “Geologia? … Ah, isso são pedras”, muitas vezes por tentativa de depreciação do papel dos Geólogos, os especialistas que utilizam o conhecimento produzido pelos seus colegas cientistas no dia-a-dia, para um melhor desenvolvimento da Sociedade moderna; outras vezes, a maioria estamos em crer, por mera ignorância estão, afinal, sem saberem, a dizer uma grande verdade! Os Geólogos são aqueles que sabem reconhecer as “pedras”, interpretá-las e pô-las a “falar” como rochas. Ou seja, são capazes de conhecer todos os fenómenos que levaram à sua formação e, com isso, conseguem perceber a utilização que lhes pode ser dada: às ditas “pedras” (!) …. naquelas múltiplas facetas que acabámos de ver.

É por isso que, quer os Geólogos que se encontram a “montante”, na produção de novo conhecimento, ou seja os investigadores que se encontram principalmente nas Universidades, nos Centros de Investigação e nos Laboratórios do Estado, quer os Geólogos que se encontram “a jusante” no seu trabalho nas empresas, nas autarquias, a aplicar os novos conhecimentos produzidos, são merecedores do nosso maior respeito! São eles, uns e outros, que têm um papel essencial nas melhores formas de “gerir” a nossa Terra, dela cuidarem, num equilíbrio sempre difícil entre os “nossos” interesses e os seus “interesses próprios”! Isto é Geoética.

Neste dia, 11 de maio, o Dia-do-Geólogo, que é uma jornada de grande alegria e de partilha de conhecimento com os nossos jovens, com as nossas populações que vão visitar as muitas atividades que se estão a desenvolver por todo o País, não queria deixar de agradecer, em primeiro lugar, a todos os colegas que quiseram ajudar e tornar possível esta bela jornada e, depois, principalmente a todos aqueles que têm curiosidade para perceber o que os Geólogos fazem no desempenho da sua profissão.

Bem Hajam!

11 de maio de 2019

A Direção da Sociedade Geológica de Portugal

 

A Sociedade Geológica de Portugal (http://socgeol.org/) é a instituição promotora, em Portugal, do Dia-do-Geólogo

Introduzido por: WebMaster em 2019-05-09 17:05:23
Notícias Breves
Apoio: Fct     Membro de: Aegs Dgeg Logo_iageth Logo_inqua Iugs_logo